Como Abrir - Montar um Ateliê de Conserto e Reforma de Roupas

By Dicas de Negocios PME - 11:08

 Ganhe dinheiro com um Ateliê de Conserto e Reforma de Roupas

Apresentação do Negócio
Existe uma grande concorrência no ramo de conserto de roupas, porém isto não impede que a implantação de um novo empreendimento seja bem sucedida. A cada dia que passa as pessoas tem menos tempo para se dedicar a serviços que estão fora de sua área de atuação principal, dentre eles estão os pequenos ajustes de roupas tais como fazer bainhas, pregar botões e refazer uma costura. Neste momento é que realizam a opção de contratar o serviço de um profissional para realizar tais serviços.
Além da escassez de tempo, outro fator que favorece o ramo é o econômico: Afinal, cada vez mais, as pessoas estão preferindo consertar uma roupa a ter que adquirir uma nova, caso a primeira opção seja satisfatória e mais barata.
A variedade de serviços que podem ser prestados por um empreendedor no ramo de conserto de roupas é enorme. Este empresário deve estar apto a realizar os mais diversos serviços, desde pregar um botão ou fazer uma bainha até realizar grandes ajustes em roupas de festa, ternos, vestidos de noiva, etc.
Conserto de roupas
Mercado
"O mercado de conserto de roupas é bastante amplo e requer que o empresário escolha um nicho específico para sua atuação. Neste perfil serão abordados dois modelos de empresa para que os interessados possam conhecer melhor o setor e descobrir qual segmento se encaixa melhor às suas características.
O primeiro modelo é o mais simples. Neste caso o empreendedor é, geralmente, o único a trabalhar no negócio e deverá possuir uma estrutura mínima para exercer o ofício. Esta pode, inclusive, ser montada em sua própria residência. Seu público alvo é o público em geral que procura seus serviços para realização de pequenos consertos e ajustes de roupas.

Uma outra alternativa para este modelo é o uso de quiosques ou mesmo vans, onde são instalados os equipamentos de trabalho. A principal diferenciação entre estas alternativas é a questão da mobilidade: enquanto o quiosque é fixo, a instalação do ateliê numa van pode permitir que o empreendedor preste seu serviço em várias partes da cidade, aumentando a clientela potencial. Neste caso, é muito importante manter datas fixas para cada localidade onde estacionar o veículo – por exemplo, sempre a cada dia da semana num determinado lugar – de forma a permitir acessibilidade fácil à clientela.
Qualquer cidadão que passe pelo empreendimento é um potencial cliente. A fidelidade deste consumidor é conquistada principalmente pela qualidade do serviço prestado, pontualidade, simpatia e cordialidade do empresário, além do preço.

A especialização em determinados consertos, como, por exemplo, ternos ou vestidos de festa também podem constituir um diferencial para o empreendedor em relação à concorrência. Esta especialização, entretanto, orienta o empreendimento para um público mais específico – comumente, comércio de vestuário ou de aluguel de roupas de festa. Este já é um “nicho” de mercado do segundo modelo.
Outra vertente deste segundo modelo deverá atender à rede de comércio de vestuário, podendo também atender ao público em geral. Neste caso o negócio deverá ser implantado de acordo com a estimativa de demanda do empresário, que poderá atender desde pequenas boutiques até grandes lojas de roupas, o que irá demandar grandes investimentos. Os comerciantes de roupas devem, neste caso, ser considerados o “carro-chefe” do negócio.

Ainda nesta modalidade de prestação do serviço, é muito importante, além da qualidade, a presteza da prestação do serviço: o vendedor está ansioso por efetuar sua venda, e o comprador para receber seu produto. Assim sendo, presteza no atendimento, rapidez no serviço e qualidade são ingredientes essenciais para o sucesso neste segmento.
No geral, os maiores diferenciais neste nicho de mercado são a qualidade, pontualidade e o preço dos serviços.
Para qualquer dos “modelos” de empresa descritos, é muito importante para o sucesso do empreendimento a diversificação da clientela. Quanto menor o número de clientes, maior o risco do empreendedor em momentos de crise ou mesmo durante a baixa estação do comércio. Quanto maior a diversificação de clientes, melhor.

Fonte:
http://www.sebrae.com.br/
Procure o Sebrae mais próximo para maiores informações. O Sebrae é o ponto de apoio para micro e pequenos empreendedores.

  • Compartilhar:

Você pode gostar também

0 comentários

Comentem sobre as matérias e o seu comentário será postado.